A HISTÓRIA

A devoção de Santa Luzia teve início nesta comunidade através de uma graça obtida em favor de uma criança que sofria dos olhos.

A família dessa criança, em gratidão a Deus e à Santa Luzia, por sua intercessão, construiu uma capela com ajuda dos vizinhos e amigos.Logo cresceu o número de devotos da Padroeira dos olhos e outra capela maior teve de ser construída à rua Antônio Augusto. 

Nesta época, veio transferido da diocese de Crato para Fortaleza o Padre Francisco de Assis Pita que se ofereceu para dar assistência espiritual à comunidade. Com o crescimento natural do desenvolvimento religioso, D. Antônio Almeida Lustosa, Arcebispo de Fortaleza, elevou a capela a categoria de Paróquia, aos 13 de março de 1942. No dia seguinte, nomeou e empossou o Padre Pita como primeiro pároco.

Graças ao dinamismo da Padre Pita, foram implantados diversos movimentos e serviços da Igreja, merecendo destaque: Apostolado da Oração, Cruzada Eucarística, Congregação Mariana e Mães Cristãs. Com o crescente número de fiéis nas celebrações, a igreja matriz se tornou pequena e em 1957, o Padre Pita lançou a pedra fundamental de uma nova matriz, à rua João Cordeiro. Construiu os alicerces e tocou a obra com recursos da comunidade por alguns anos, até que, por motivo de saúde, apresentou seu pedido de demissão ao, então, Arcebispo D. José de Medeiros Delgado. Aceito o pedido, foi nomeado pároco de Santa Luzia o Padre Gerardo Aguiar Nogueira, que tomou posse em 15 de agosto de 1964. É na sua gestão que se implantam o Encontro de Casais com Cristo, a Renovação Carismática, os Vicentinos, os Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão e a Comunidade Eclesial de Base na Graviola.

O Padre Gerardo conseguiu concluir as obras de edificação da Igreja Matriz, inaugurando-a no dia das mães, no ano de 1967. No ano seguinte construiu a Escola de Primeiro Grau Santa Luzia. Obteve, com a ajuda do Rotary Clube um Curso de Datilografia para a Escola bem como, junto ao Governo do Estado, um consultório dentário para a comunidade carente.

Por seu espírito empreendedor, o Padre Gerardo foi requisitado pela Arquidiocese a promover a reforma do velho casarão do Seminário da Prainha, passando a acumular os cargos de Reitor do Seminário e Pároco de Santa Luzia. Não resistindo ao acúmulo dos trabalhos, pediu demissão da Paróquia.

O Arcebispo D. Aloísio Lorscheider nomeou, então, para o seu lugar o Padre Francisco de Assis Apolônio, que tomou posse em 30 de julho de 1988. Permanecendo até hoje entre nós, o Padre Apolônio dinamizou a Paróquia introduzindo novos serviços e criando muitas pastorais. Foi assim que surgiram a Fraternidade dos Servos e Servas do Senhor e as pastorais do Batismo, Crisma, Catequese infantil e adultos, Dízimo, Juventude, Família, Surdos, Idosos, Paroquiano Carente, Saúde, Evangelização nas casas, Pão de Santo Antônio e os Coroinhas. Dentre as obras de ampliação e melhoramento desenvolvidas na gestão do Padre Apolônio merecem destaque: dois consultórios médico-adontológicos, salas para a Escolinha, criação da capela de intimidade com Cristo, sala das Pastorais e construção do novo altar da Igreja.

 


OREMOS:

Ó, Santa Luzia, conservai a luz dos meus olhos para que eu possa ver as belezas da criação. Conservai também os olhos de minha alma, a fé, pela qual posso conhecer o meu Deus, compreender os seus ensinamentos, reconhecer o seu amor para comigo e nunca errar o caminho que me conduzirá onde vós, Santa Luzia, vos encontrais, em companhia dos anjos e santuário. Santa Luzia, protegei meus olhos e conservai minha fé. Amém. Santa Luzia rogai por nós!


GALERIA DOS PÁROCOS:

WhatsApp chat